28/07/2009 Lenda ''Final De Festa''


Oi, chamo-me Onilson, tenho 20 anos, moro na região norte do país. Eu já tinha me decidido que não falaria disto com mais ninguém, entretanto, ao dividir minha experiência com as pessoas, provavelmente, me ajude a esquecer este absurdo e um dia quiçá e me sentirei melhor. É uma forma de desabafar.
Bem, o que ora passo a escrever, aconteceu comigo, meu irmão Charles e meu amigo Ricardo, há cerca de uns quatro anos, quando no final de uma festa, íamos para casa no meio da madrugada e nos deparamos com o bizarro.
O relógio marcava 3 horas da madrugada, o céu estava nublado e a noite estava muito escura, quando saímos de uma festa de aniversário em direcção às nossas casas.
Claro, tínhamos bebido demasiadamente, mas por já estarmos acostumados, quase nem fez efeito tanta bebida. Então saímos e pegamos a pista. Após andarmos por certo tempo, Ricardo então disse: - Vamos pegar um atalho que conheço. Concordamos e fomos.
De repente notamos um cheiro terrível, podre e azedo. Subitamente enevoou e não conseguíamos ver mais nada. Meu irmão então disse:
- O que é aquilo? Olhamos e vimos vários cachorros passando de um lado para o outro como que guardando algo, entretanto eles pareciam estar mutilados. Então, logo um daqueles cães veio em nossa direcção, qual não foi o nosso espanto ao ver que não tinha um dos olhos, entretanto, rosnou muito para nós. Ricardo pegou um pedaço de pau e jogou no animal, que se espantou e correu.
Meu irmão xingou e reclamou que pisou em algo melado. Percebemos que o chão estava todo melado com uma gosma bem nojenta, o mal-cheiro não parava.
Dali a pouco começamos a ouvir vozes desesperadas gritando: - Por favor! Por favor! Salve minha alma! Salve minha alma! Pensamos: é palhaçada de algum imbecil querendo nos assustar.
Infelizmente estávamos errados. Não existia ninguém brincando conosco. O que nos fez chegar a esta conclusão foi quando vimos várias pessoas nuas e deitadas no chão voltadas pra cima e mexendo com os braços, como que, se estivessem afogando.
Meu irmão gritou: É um acidente. Claro, não poderíamos nos permitir fugir tanto da realidade. Só poderia ser um acidente horrível com muitas vítimas.
Errados de novo. De repente chegamos bem perto pra ver o que era aquilo e concluímos que seres mutilados eram tragados pelo asfalto como que se afogando em um mar negro. Nossa fé nunca foi lá essas coisas, entretanto rezamos como monges ao assistir aquele absurdo. Mas não foi tudo, aqueles pobres desgraçados, exigiam nossa ajuda, alguns até pediam nossas almas.
Olhei para os dois, eles, com seus olhos esbugalhados, diziam: - Onilson, isto não está acontecendo! Diga que não está. ! Não conversamos muito, naquele momento corremos feito loucos, pois concluímos, sem dúvida, a visão clara do inferno com suas almas condenadas. No caminho vimos algumas pessoas, mas não tivemos coragem de contar. Poderiam achar que éramos loucos. Depois daquele dia parei de beber, de sair à noite e procurei uma religião. Meu amigo Ricardo morreu alguns meses depois, numa briga com um marginal por causa de uma rapariga e meu irmão viajou para o nordeste e fazem anos que perdi o contato total com ele. O divino foi meu maior testemunho e me protegeu de eu ser levado à loucura naquele dia infame...
Digg it StumbleUpon del.icio.us

1 comentários:

Postar um comentário

 
Melhor visualização no navegador Google chrome