20/12/2012 Conversas na madrugada [Parte 03/06]

 Anteriormente...

Os braços do Ex soldado pesavam depois de um longo dia de trabalho. As engrenagens poderosas dos seus músculos operavam quase que mecanicamente, enquanto apertava parafusos, porcas e pistões.
 Anderson Oliveira era agora um excelente mecânico, Vizinho e cuidava da sua própria vida. Porem depois da morte de Liza permanecia ate altas horas em seus trabalhos atrasados com a oficina.
 Viu quando um maverick 75 descendo velejando a rua obscura. Estremeceu. O Costume fúnebre do Tenente-coronel em deslizar vagarosamente as ruas mirando um alvo ou um transeunte, era conhecidíssimo de seus ex companheiros de profissão e temido entre as possíveis vitimas de uma destas horrendas aparições soturnas.
 "Gute Nacht". Disse Wander Vlad Maverick a seu anfitrião enquanto desembarcava do veiculo, estacionando exatamente em frente da Oficina Mecânica do senhor Oliveira.
 "Já disse tudo que sabia Sr. e acho que Policia..." Dizia Anderson quando Maverick o interrompeu Ascendendo um Cigarro e dizendo. "Ora Sr. Anderson. -Soltou a fumaça com ar de satisfação -  Não sou policial e tenho muito pouco contato com a policia!".
 Anderson percebeu que o sobretudo no corpo forte do homem de meia idade a sua frente era exatamente uma antiga farda da rota. Os ex policiais sao piores que os ex soldados, afinal uns ainda se achavam na guerra e os outros ainda se achavam em serviço.
 "Sabe...", Iniciou Maverick enquanto andava amigavelmente, como um superior tentando solicitar algo de extrema maldade ou de horrível impiedade a um bondoso subordinado. "...Você Deveria ver o motor do meu carro...", Neste ponto já tinha passado de Anderson e admirava uma coleção de chaves de boca sobre uma mesa qualquer. Anderson estava nervoso com a situação, não gostava de gente que mexe em tudo, muito menos na sua vida. "Meu nome é Wander Vlad Maverick. Tenente-coronel da Agencia Nascional de Casos...'Especiais'. Digamos assim". O Sr. Oliveira compreendeu o que de fato estava acontecendo. Fechou a porta levadiça da oficina mecânica e a trancou por dentro. Suas mãos tremiam e suavam.
 Maverick aproveitou o deslise insensato da sua vitima e enquanto ele estava de costas sacou a sua pistola Glock 18. Maverick sorria estranhamente para o homem que estava prestes a ser interrogado.
 "Café sr. Maverick?", "Não, Obrigado"
 "Por que Maverick?", "Acho que é minha vez de fazer perguntas Sr. Anderson!"
 . . .
 O Meio- Sorriso de Maverick, provocaria uma nauseante sensação de maldade a quem olhasse. entrou no seu carro, ascendeu outro cigarro. Olhou Profundamente para dentro da oficina e ligou o carro, Saindo em seguida. Com uma pista, um sorriso e duas balas a menos.

Continua...


Digg it StumbleUpon del.icio.us

0 comentários:

Postar um comentário

 
Melhor visualização no navegador Google chrome